Um Ensaio sobre a Desconstrução no Design pretende refletir e simultaneamente homenagear o livro como objeto.

Desmontando os elementos formais e espaçotemporais da composição visual, recorrendo a temas simbólicos de libertação das páginas, questionando o ler e o ver, bem com técnicas díspares de impressão, construiu-se uma narrativa única onde a noção de tempo se dilata. As estórias são feitas de momentos. Momentos que voltam e que antecipam o próprio tempo. Desconstruído, descontextualizado, construído, contextualizado, o livro, como afirma Foucault, não tem limites.