Este objeto define uma perspetiva pessoal sobre a relação entre o livro, o espaço e a memória.

Nesse sentido, num primeiro momento, através de um arquivo de referências, foi reunida uma série de elementos textuais e gráficos que de alguma forma pudessem ser uma base para projetar, num objeto editorial, uma visão mais introspetiva da ação da memória nas palavras e na leitura.

Tentando passar a ideia de que cada fragmento de leitura é um ponto de partida para, simultaneamente, chegar a novas ideias e viajar até momentos passados, foi feita uma interpretação tipográfica de excertos de três dos textos desse arquivo, acompanhada de uma imagem de um local de referência, «dividindo» o discurso em nove fragmentos, nove cadernos de formato A6, de dezasseis páginas cada um.

Em cada um dos nove «momentos» estabelece-se um conceito como referência ideológica para o excerto de texto que é interpretado, havendo a possibilidade de leitura individual de cada um dos objetos e da reunião destes num todo.